ÁREA RESTRITA

  • PROFISSIONAIS DA SAÚDE

ALERTA: FEBRE AMARELA

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

A ALEMDII vem a público informar e orientar que está acontecendo um surto de febre hemorrágica, principalmente na zona rural da região de Caratinga e que a SUSPEITA é que seja FEBRE AMARELA.

Até agora, foram registrados 05 óbitos e 19 casos suspeitos.
Os sintomas são febre; dores pelo corpo; (dor lombar, na panturrilha, dor de cabeça,) náuseas e vômitos; hemorragias e evolui para insuficiência hepática e renal. Outras pessoas estão internadas com quadro semelhante. Todas as vítimas são moradoras da zona rural
Técnicos da Gerência Regional de Saúde de Coronel Fabriciano estão auxiliando nas investigações. Eles encontraram três macacos mortos na região onde os lavradores trabalham. Os técnicos estão colhendo material biológico destes animais para fazer a análise. Técnicos da Secretaria de Estado da Saúde de Belo Horizonte estão chegando à região para fazer novos estudos.
Frente á essa realidade, cumpre-nos passar informações seguras do que é e como nos prevenir da Febre Amarela.

Febre amarela:

Sintomas

A febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por vetores. Geralmente, quem contrai este vírus não chega a apresentar sintomas ou os mesmos são muito fracos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

Transmissão

A febre amarela ocorre nas Américas do Sul e Central, além de em alguns países da África e é transmitida por mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. Sua manifestação é idêntica em ambos os casos de transmissão, pois o vírus e a evolução clínica são os mesmos — a diferença está apenas nos transmissores. No ciclo silvestre, em áreas florestais, o vetor da febre amarela é principalmente o mosquito Haemagogus. Já no meio urbano, a transmissão se dá através do mosquito Aedes aegypti (o mesmo da dengue). A infecção acontece quando uma pessoa que nunca tenha contraído a febre amarela ou tomado a vacina contra ela circula em áreas florestais e é picada por um mosquito infectado. Ao contrair a doença, a pessoa pode se tornar fonte de infecção para o Aedes aegypti no meio urbano. Além do homem, a infecção pelo vírus também pode acometer outros vertebrados. Os macacos podem desenvolver a febre amarela silvestre de forma inaparente, mas ter a quantidade de vírus suficiente para infectar mosquitos. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Prevenção

Como a transmissão urbana da febre amarela só é possível através da picada de mosquitos Aedes aegypti, a prevenção da doença deve ser feita evitando sua disseminação. Os mosquitos criam-se na água e proliferam-se dentro dos domicílios e suas adjacências. Portanto, deve-se evitar o acúmulo de água parada em recipientes destampados. Para eliminar o mosquito adulto, em caso de epidemia de dengue ou febre amarela, deve-se fazer a aplicação de inseticida através do “fumacê”. Além disso, devem ser tomadas medidas de proteção individual, como a vacinação contra a febre amarela, especialmente para aqueles que moram ou vão viajar para áreas com indícios da doença. Outras medidas preventivas são o uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

Sobre a Vacinação:

De acordo com a NOTA INFORMATIVA Nº 143/CGPNI/DEVIT/SVS/MS, Pessoas a partir dos 5 anos de idade que receberam 2 doses da vacina – Considerar VACINADO.

Como somos uma Associação de portadores de DII, e que os portadores de Crohn e Retocolite utilizam muitos medicamentos, informamos que a VACINA DA FEBRE AMARELA É CONTRAINDICADA para pessoas que utilizam corticoides, Imunossupressores (Azatioprina) e Imunomoduladores (Infliximabe e Adalimumabe, etc).

Outros casos que contraindicam a vacinação:
• Crianças com menos de 6 meses de idade.
• Pacientes com imunossupressão de qualquer natureza, como:
– Pacientes infectados pelo HIV com imunossupressão grave.
– Pacientes em tratamento com drogas imunossupressoras (corticosteroides, quimioterapia, radioterapia, imunomoduladores).
– Pacientes submetidos a transplante de órgãos.
– Pacientes com imunodeficiência primária.
– Pacientes com neoplasia.
Obs: Nos casos de pacientes com imunodeficiência, a administração desta vacina deve ser condicionada a avaliação médica individual de risco-benefício e não deve ser realizada em caso de imunodepressão grave.
• Indivíduos com história de reação anafilática relacionada a substâncias presentes na vacina (ovo de galinha e seus derivados, gelatina e outros produtos que contêm proteína animal bovina).
• Pacientes com história pregressa de doenças do timo (miastenia gravis, timoma, casos de ausência de timo ou remoção cirúrgica).

Para quem não foi vacinado e utiliza esses medicamentos, proteja-se através do uso de repelente de insetos, mosquiteiros e roupas que cubram todo o corpo.

Fontes:
http://portalsaude.saude.gov.br/…/Nota-Informativa-143-Febr…
https://www.bio.fiocruz.br/…/febre-amarela-sintomas-transmi…
http://portalsaude.saude.gov.br/…/10771-vacinacao-febre-ama…
https://www.facebook.com/prefeituradecaratinga/posts/621252421411115

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Publicações relacionadas

Painel NAVEGAR fechando o 7º Congresso ALEMDII

Fechando o nosso congresso, no 𝐏𝐚𝐢𝐧𝐞𝐥 𝐍𝐀𝐕𝐄𝐆𝐀𝐑, 𝐉𝐮𝐥𝐢𝐚 𝐀𝐬𝐬𝐢𝐬 e 𝐀𝐥𝐞𝐬𝐬𝐚𝐧𝐝𝐫𝐚 𝐝𝐞 𝐒𝐨𝐮𝐳𝐚 vão conversar sobre a ALEMDII, o que temos feito e compartilhar algumas

Leia mais »

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicações recentes

Painel NAVEGAR fechando o 7º Congresso ALEMDII

Fechando o nosso congresso, no 𝐏𝐚𝐢𝐧𝐞𝐥 𝐍𝐀𝐕𝐄𝐆𝐀𝐑, 𝐉𝐮𝐥𝐢𝐚 𝐀𝐬𝐬𝐢𝐬 e 𝐀𝐥𝐞𝐬𝐬𝐚𝐧𝐝𝐫𝐚 𝐝𝐞 𝐒𝐨𝐮𝐳𝐚 vão conversar sobre a ALEMDII, o que temos feito e compartilhar algumas

Leia mais »

Área do usuário

Não possui uma conta?
Clique em registrar para se cadastrar.

Assine nossa Newsletter

Não quer perder nada da ALEMDII? Cadastre-se e receba as publicações mais importantes sobre Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa!