ÁREA RESTRITA

  • PROFISSIONAIS DA SAÚDE

Doenças Inflamatórias Intestinais e fatores emocionais

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Além do adoecimento corporal, as doenças inflamatórias intestinais sofrem influência de fatores emocionais.

A doença inflamatória intestinal não é caracterizada apenas por manifestações intestinais e extraintestinais, mas também por alterações psicológicas que se refletem nos relacionamentos, nas atividades sociais e no trabalho.

Ao conviver com sintomas desagradáveis, como diarreia, cólicas intestinais, sangramentos e outras possíveis complicações – a exemplo de estenoses e fístulas –, os pacientes são submetidos a um alto grau de desconforto e estresse e, por isso, ficam sujeitos a desenvolver crises de ansiedade e depressão.

A Psicóloga Clínica Daisy Maldaun acrescenta que, embora a reação a fatores estressantes seja diferente em cada indivíduo – uma vez que o ser humano é único em sua forma de ser, de sentir as emoções e de adoecer – toda emoção negativa vai repercutir no agravamento da sintomatologia das doenças e tem uma real influência nas crises de DII. “Independentemente de a doença ser crônica ou não, a sua aceitação já é o presságio de uma possível melhora. No entanto, nos pacientes com DII a ausência de controle sobre a sintomatologia é um dos fatores que pode levá-los a deprimir”, acentua.

Outro fator que influencia o problema pode estar relacionado à quase ausência de neurotransmissores como dopamina, noradrenalina e, principalmente, serotonina, que representam um papel importante no sistema nervoso central para a inibição de humor, sono, vômito e apetite.

A inibição desses neurotransmissores está diretamente relacionada com os sintomas da depressão nas DII, uma vez que a produção dessas substâncias ocorre no intestino que, no caso das doenças inflamatórias intestinais, se encontra enfermo.

Psicoterapia é um instrumento importante no trabalho com os pacientes

Partindo do princípio de que as DII têm repercussões emocionais, tanto no aparecimento dos sintomas quanto em seu agravamento, a psicoterapia é um instrumento importante no trabalho com esses pacientes.

Nessas circunstâncias, o objetivo de um atendimento psicoterápico será criar condições favoráveis e necessárias para ampliar o repertório psíquico do paciente, de modo que possa pensar em seus conflitos em vez de depositá-los no corpo.

Fonte: ABCD

Compartilhe essa publicação

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email

Publicações relacionadas

Painel NAVEGAR fechando o 7º Congresso ALEMDII

Fechando o nosso congresso, no 𝐏𝐚𝐢𝐧𝐞𝐥 𝐍𝐀𝐕𝐄𝐆𝐀𝐑, 𝐉𝐮𝐥𝐢𝐚 𝐀𝐬𝐬𝐢𝐬 e 𝐀𝐥𝐞𝐬𝐬𝐚𝐧𝐝𝐫𝐚 𝐝𝐞 𝐒𝐨𝐮𝐳𝐚 vão conversar sobre a ALEMDII, o que temos feito e compartilhar algumas

Leia mais »

Enviar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Publicações recentes

Painel NAVEGAR fechando o 7º Congresso ALEMDII

Fechando o nosso congresso, no 𝐏𝐚𝐢𝐧𝐞𝐥 𝐍𝐀𝐕𝐄𝐆𝐀𝐑, 𝐉𝐮𝐥𝐢𝐚 𝐀𝐬𝐬𝐢𝐬 e 𝐀𝐥𝐞𝐬𝐬𝐚𝐧𝐝𝐫𝐚 𝐝𝐞 𝐒𝐨𝐮𝐳𝐚 vão conversar sobre a ALEMDII, o que temos feito e compartilhar algumas

Leia mais »

Área do usuário

Não possui uma conta?
Clique em registrar para se cadastrar.

Assine nossa Newsletter

Não quer perder nada da ALEMDII? Cadastre-se e receba as publicações mais importantes sobre Doença de Crohn e Retocolite Ulcerativa!